segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Resenha: A Chave de Casa


O tema de julho/agosto do desafio ‘Mulheres e Páginas’ era ‘escritora jovem e contemporânea’ (considerando jovem aquelas com até 40 anos de idade). Todas que eu pensava em ler, acaba descobrindo que, afinal, não eram tão jovens assim. E minha intenção era escolher um livro que já estivesse na minha estante. Depois de uma breve seleção, fiquei com ‘A Chave de Casa’, primeiro romance de Tatiana Salem Levy, uma brasileira de ascendência judia e turca nascida em Portugal. Eu já tinha recebido boas recomendações desse livro e leitura não me decepcionou. Mais que isso: foi uma das minhas preferidas de agosto e me fez virar fã da autora.

A protagonista-narradora é uma garota que recebe do avô a chave da antiga casa de família abandonada na cidade de Esmirna, na Turquia. Embora contra sua vontade, pois enfrentava um período de isolamento profundo, um misto de curiosidade e ‘obrigação’ a faz sair da inércia rumo a uma viagem ao outro lado do mundo, para resgatar a história de seus ancestrais e a sua própria, tecendo uma trama de memórias antigas e novas, suas e dos outros, em um bordado rico e em vários tons.

A estrutura da narrativa é bem peculiar, fragmentada, ora avançando, ora retrocedendo no tempo. Em certa altura a narradora diz uma coisa e, mais adiante, se contradiz. Isso quando quem não a desmente é a própria mãe, que interage fazendo comentários entre colchetes, como se fizesse parte da conversa que é, na verdade, um monólogo. Fatos e suposições se misturam; realidade e imaginação se sobrepõem.

Achei o estilo muito interessante. A narradora tem uma tendência a sofredora, parece ver tudo por uma perspectiva sombria, enquanto a mãe, mesmo enfrentando uma doença terminal, enxerga o lado bom das coisas, diz que a filha é exagerada, que a dor não é tão grande assim.

Além de contar suas andanças por terra estrangeira para atender ao desejo do avô, a narradora também vai intercalando lembranças de momentos que passou ao lado da mãe já adoentada, revela a evolução de um relacionamento amoroso que, a princípio, parece sexy, mas que mostra sua face verdadeira e cruel com o passar do tempo, e ainda dá um jeito de narrar a chegada do avô ao Brasil, que fugia de uma decepção amorosa.

Muito do que se conta em ‘A chave de casa’ saiu das memórias da autora, que usa suas experiências pessoais e acrescenta outros detalhes aos personagens, gerando uma obra com toques autobiográficos, sem ser, de fato, uma autobiografia. Aliás, o livro é resultado da tese de doutorado de Tatiana.

Foi uma leitura intensa, em que acompanhei a narradora em seus altos e baixos, suas angústias e raros momentos de leveza. Era para ser minha leitura de metrô, mas fiquei tão envolvida com a história que devorei o livro rapidamente, na rua e em casa. Uma ótima experiência.

“Escrevo com as mãos atadas. Na concretude imóvel do meu quarto, de onde não saio há longo tempo. Escrevo sem poder escrever e, por isso, escrevo. De resto, não saberia o que fazer com este corpo que desde a sua chegada ao mundo não consegue sair do lugar. Porque eu já nasci velha, numa cadeira de rodas, com as pernas enguiçadas, os braços ressequidos. Nasci com cheiro de terra úmida, o bafo de tempos antigos sobre o meu dorso. Falo de um peso que carrego nas costas, um peso que me endurece os ombros e me torce o pescoço, que me deixa dias a fio – às vezes um, dois meses – com a cabeça na mesma posição. Um peso que não é de todo meu, pois já nasci com ele, como se toda vez em que digo ‘eu’ estivesse dizendo ‘nós’. Falo sempre na companhia desse sopro que me segue desde o primeiro dia.”

Não é um thriller, mas gerou em mim o mesmo nível de tensão. Recomendo muito!

Este livro faz parte do "Desafio Mulheres e Páginas", criado pelo blog "Elas Leram". O objetivo é ler 1 livro escrito por mulher a cada bimestre, de acordo com os temas. O tema de julho/agosto era Jovens e Contemporâneas. Escolhi Tatiana Salem Levy, considerada uma das escritoras mais promissoras da literatura brasileira.

Assista a uma entrevista da autora no Saraiva Conteúdo.

3 comentários:

Claudia Leonardi disse...

Tbe gostei muito deste livro!
Me surpreendeu positivamente, pois nao conhecia a escrita da Tatiana. Também fiquei fã!
Mais um desafio?! Lá vou eu dar uma olhadinha...rs
Obrigada querida, pela indicação, adorei!
Bjks mil

www.blogdaclauo.com

Aline Aimee disse...

Vou anotar.
Adoro esses livros que prendem.

Michelle disse...

Clau,
Ué, eu não tinha te falado desse desafio? É bem tranquilo e bacana.
Bom saber que você curtiu a indicação!

Aline,
Leia! Achei a escrita bem diferente e mergulhei totalmente na história.