sábado, 20 de junho de 2020

Resenha: A Trégua



“Ela me dava a mão e eu não precisava de mais nada. Bastava isso para que eu me sentisse bem acolhido. Mais do que beijá-la, mais do que nos deitarmos juntos, mais do que qualquer outra coisa, ela me dava a mão, e isso era amor.”

Martín Santomé é um homem de cinquenta anos, viúvo desde os trinta. Tem três filhos, mas não sente afinidade por nenhum. Realiza um trabalho burocrático e está prestes a se aposentar. Até que a monotonia dos seus dias cinzentos é quebrada pela chegada da nova funcionária da repartição, Laura Avellaneda. E de repente Martín ganha um novo propósito na vida.

Apesar da diferença de idade (Laura tem a idade dos filhos de Martín), os dois personagens são muito parecidos quanto à personalidade: ambos são pacatos, tímidos, solitários e seguem seus dias sem grandes emoções, sem grandes planos. Quando percebe que está interessado na moça, Martín tem sentimentos conflitantes. Se, por um lado, se sente vivo outra vez, por outro, teme fazer papel de tolo diante da jovem que certamente gostaria de ter experiências que talvez ele não possa mais oferecer. Mesmo assim, ele se enche de coragem e vai falar com ela. Para sua surpresa, Laura o aceita. E faz propostas que ele nem imaginava que ela pudesse cogitar. E eles vivem um amor tranquilo enquanto dura a trégua.

A estrutura de diário da história serve muito bem às questões íntimas e universalmente humanas que o autor se propõe a apresentar. Uma das partes que mais me agradaram foi a reflexão sobre memória. No início, Martín comparava Laura à sua falecida esposa, Isabel. Protegida pelo véu das lembranças, Isabel reinava absoluta, inatingível. Era mais bonita, tinha o temperamento ideal, seu corpo se encaixava perfeitamente no dele. Com o passar do tempo, e conforme seu relacionamento com Laura avança, Martín se dá conta de que talvez a ex-esposa não fosse tão bela assim, de que a intimidade que ele julgava ter com ela não era real, de que ele mal a conhecia, na verdade. E o contato físico com Laura, além de destruir suas fantasias de um passado perfeito, o fazem tomar consciência do seu corpo atual, já sem todo o vigor de outrora. Mas, apesar da insegurança inicial, ele enfim se tranquiliza, porque ela não teria como compará-lo com uma versão mais jovem de si mesmo, e, por fim, acaba se dando por satisfeito, porque acredita agora ser uma pessoa melhor do que antes.

Os filhos são outro ponto interessante. Com um deles as interações são sempre conflituosas. Com outro, a relação é abalada por preconceitos. E com a filha as conversas parecem fluir melhor. No entanto, são 3 estranhos com quem Martín por acaso tem uma ligação sanguínea, e nada mais. Ainda assim, ele receia revelar a eles o seu novo relacionamento. E se eles se sentissem ofendidos por ele não estar respeitando a memória da mãe morta? E se o achassem ridículo por namorar uma pessoa tão mais nova? Incrível como nós, seres humanos, queremos sempre a aprovação dos outros. Mesmo que esses outros nem nos conheçam direito. E como sofremos com isso.

Aqui vale uma observação: embora eu tenha gostado muito da história pela forma como trata de dúvidas e sentimentos universais, e tenha torcido pela felicidade do casal, não dá para não pensar “E se fosse o contrário?”. Com certeza, se fosse uma mulher mais velha a se apaixonar por um rapaz a história se desenvolveria de outro modo. Mulheres são vistas sempre como reprodutoras e cuidadoras apenas. A própria forma como a solteirice é tratada depende do sexo da pessoa em questão. Como a própria Laura explica a Martín a certa altura:

“Para vocês, é muito diferente. Compare, se quiser, o caso de uma solteirona e o de um solteirão, que aparentemente poderiam ser encarados como parentes afins, como dois frustrados paralelos. Quais são as reações de uma e de outro? (...) Enquanto a solteirona se torna mal-humorada, cada vez menos feminina, maníaca, histérica, incompleta, o solteirão se volta para o exterior, torna-se esfuziante, ruidoso, velho saliente. Os dois padecem de solidão, mas para o solteirão isso é só um problema de assistência doméstica, de cama individual; para a solteirona, a solidão é uma paulada na nuca”.

E é isso. Gostei bastante da história, mas já estou um pouco cansada das tramas em que o cara bem mais velho fica com a mocinha. Sim, isso acontece. Não tem problema nenhum. Mas ultimamente quero ler outras coisas, sabe? Acho que por isso não fui arrebatada por esse livro. De todo modo, recomendo a leitura.

Esta foi mais uma leitura que dividi com a Lulu. Passem lá no blog dela para ver o que ela achou ;)

Nota: 3,5/5

Este post faz parte do Desafio Volta ao Mundo em 80 Livros[Uruguai]Para ver a apresentação do projeto e a lista de títulos/resenhas, clique AQUI ou no banner na coluna à direita. 

2 comentários:

MaeLiteratura disse...

Oi Mi!
Eu gostei muito deste livro
Entendo e concordo com suas observações, embora ache que estamos avançando...aos poucos e a passos lentos, mas melhor que antes, com certeza
Bom demais ver posts novos aqui neste cantinho que eu adoro!
Vou acompanhar sua viagem
Beijos
Claudia

Michelle disse...

Oi, Clau.
Olha, tem dias que acho que estamos avançando; tem dias que acho que só andamos para trás. Em todo caso, é uma história bonita por tratar de duas pessoas solitárias que se encontram e vivem bons momentos juntas (ainda que brevemente).
Beijo!