terça-feira, 13 de junho de 2017

O que rolou... Maio/2017

Adivinhem quem está de volta?


E lá se foi mais um mês estranho, que alternou momentos de trabalho intenso com outros de total falta de demanda. Haja saúde para lidar com tanto cansaço e ansiedade! Mas vamos ao que interessa: li um pouquinho e assisti a vários filmes e alguns seriados. O módulo de História do Cinema de maio foi sobre musicais, então vi alguns filmes do gênero e tenho ainda uns outros tantos aqui para ver. Bem, vamos logo para a retrospectiva!

Livros

Finalizei 2 livros em maio:

- Duas narrativas fantásticas (Fiódor Dostoievski): Um dos contos li para a aula de cinema e filosofia, então já aproveitei e li a outra também para terminar o livro. Dei quatro estrelinhas.
- O diário secreto de Laura Palmer (Jennifer Lynch): Li como preparação para o retorno da série e também porque estou fazendo um curso muito bacana sobre narrativas transmídia, e Twin Peaks é um dos melhores exemplos. O livro em si não achei aquelas coisas todas, mas, combinado com os outros produtos da série, é interessante. Três estrelinhas.

Publicado post da série 'Leia o Livro/Veja o Filme': Novecentos / A lenda do pianista do mar

Filmes

Assisti a 22 filmes em maio. Separei a lista por áreas de interesse (minhas) nos filmes. Favoritos: ‘A onda’, ‘Quando Hollywood dança’, ‘Menino 23’ e ‘Corra’.


Para a aula de Cinema, Filosofia e Teoria Social:
- A onda: Já tinha visto o filme (e resenhado aqui) na época do lançamento. Foi ótimo rever e poder analisar cada detalhe. Continua excelente e melhora a cada vez que vejo.
- Terra Congelada: Filme finlandês que mostra personagens enfrentando uma realidade dura e bem diferente daquela que imaginamos quando pensamos em tal país. A estrutura é fragmentada, com várias histórias que se cruzam em algum momento. Achei bom.

Para a aula de História do Cinema:
- A grande feira: Mais um filme que mostra como a situação de desigualdade no Brasil pouco mudou desde a época da produção (1961).
- O cinema foi à feira: Documentário sobre os bastidores do filme 'A grande feira'. Gostei muito.
- O Grande Ziegfeld: Musical ganhador do Oscar 1937 sobre um dos produtores de musicais mais famosos do início dos anos 20. Os números musicais são excelentes, mas as 3 horas de duração me pareceram excessivas.
- Melodia na Broadway: O primeiro musical vencedor do Oscar de 1930. Várias inovações técnicas, mas achei mediano apenas.
- Gigi: Mais um musical vencedor do Oscar (1959). Achei que poderia ter sido ótimo, mas me incomodou por ser um musical sem números de dança e com inversão do ponto de vista da história (adaptada do livro de mesmo nome da autora francesa Colette) para agradar ao público predominantemente masculino da época.
- Quando Hollywood dança: Ótimo documentário sobre a dança no cinema. Aumentou consideravelmente a lista de filmes que quero assistir... rs

Para o #vejamaismulheres:
(Os cinco primeiros já resenhei no post temático sobre 5 diretoras do leste europeu)
- Chuck Norris vs Comunismo: Documentário maravilhoso sobre o trabalho (clandestino) de uma tradutora/dubladora no finzinho do comunismo na Romênia para driblar a censura e possibilitar aos seus compatriotas adentrar o mundo mágico do cinema.
- A boa esposa: Uma esposa e mãe que de repente tem seu mundo virado de pernas para o ar ao receber o diagnóstico de câncer e ainda descobrir o passado sombrio de seu marido.
- Viktoria: Três gerações de mulheres aprendendo a lidar com os dilemas e frustrações na Bulgária comunista.
- Em segredo: Mais um filme do leste europeu em que as protagonistas precisam enfrentar fantasmas do passado ligados à guerra (no caso, a da Bósnia).
- O vento nas suas costas: Outro exemplar de filme com histórias que se cruzam e que trata de solidão e carência afetiva. Longo, mas nem senti o tempo passar.
- Atitude cor-de-rosa: Documentário que questiona comportamentos esperados das mulheres e sobre como as garotas são moldadas desde a infância para atender a essas expectativas.  
- 4% - Um problema de gênero: Documentário sobre a diferença gritante no número de profissionais do sexo feminino na indústria do cinema. Em breve farei um post especial com documentários.
- A deusa de 1967: Uma gracinha de filme. Visual bonito, ângulos estranhos e uma dupla central cativante, com uma cena de dança no bar que já virou uma das minhas favoritas da vida. Mais um que espero postar logo junto com outras produções de diretoras asiáticas. 

Just for fun:
- Twin Peaks – Os últimos dias de Laura Palmer: Mostra os eventos ocorridos uma semana antes do início da primeira temporada. Fornece mais algumas peças para o quebra-cabeça, mas gera um monte de novas dúvidas... hahaha
- Twin Peaks – Os últimos dias de Laura Palmer: The Missin Pieces: Cenas estendidas ou deletadas do filme. Muita coisa é desnecessária, mas tem uma cena que se conecta diretamente ao finzinho da segunda temporada e faz a ponte com a aguardada temporada 3. 
- Alien - Covenant: Prefiro não falar sobre esse filme. Decepcionante demais.
- Irmã: Um filme sobre as diferentes formas de lidar com a dor. Tem uma noviça gótica e uma trilha sonora ótima. Preciso falar o que me levou a escolher esse título?
- Menino 23: O que fazer quando se descobre que os horrores do nazismo foram praticados bem mais perto de casa do que se supunha? Mais um episódio vergonhoso na história do Brasil.
- Corra: Raro exemplar de terror atual dos bons. Utiliza o viés psicológico em vez das manjadas aparições sobrenaturais e da matança gratuita. Inteligente e assustador.

Séries

Continuo acompanhando as fugas mirabolantes dos irmãos que só se metem em confusão na quinta temporada de ‘Prison Break’, terminei de rever a segunda temporada de ‘Twin Peaks’ (que é bem sofrível da metade em diante...) e aproveitei um fim de semana chuvoso para devorar a minissérie ‘The Lizzie Borden Chronicles’ (como não amar Christina Ricci com sua carinha inocente interpretando uma serial killer que usa um machado?).

Publicado post especial de Dia das Mães: '5 mães de séries TV'

E vocês, o que contam de maio? 
Beijo!

Nenhum comentário: