quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

E o tema é... Filmes natalinos de terror

HoHoHo...

Já estão esperando o Papai Noel?
Eu estou trabalhando ainda e, nesta época, a única coisa que me alegra no fim do dia é assistir a um filme de terror e/ou tosco (sim, eu tenho esse gosto refinado). Então que nas últimas semanas tenho visto vários filmes natalinos de terror. Alguns são realmente de terror, outros estão mais para ‘terrir’. Enfim, quem quiser entrar no clima festivo, mas sem apelar para o sentimentalismo, dê uma olhada nas dicas.


A Christmas Horror Story (A Christmas Horror Story, 2015) [Estados Unidos]
Decidi começar pelo melhor do lote. Este é de terror mesmo. São quatro histórias contadas simultaneamente, com tramas que estão interligadas de algum modo. Numa delas, um trio de adolescentes entra sem permissão na escola, na véspera de natal, para tentar desvendar o mistério de um casal de namorados encontrado morto nos porões da instituição nas Festas do ano anterior. Na segunda, uma família invade uma propriedade privada para cortar um pinheiro e, ao retornar para casa, o filho pequeno começa a agir de um jeito bem estranho. Em outra, um homem vai visitar a tia idosa e antissocial e arrasta a família consigo, mas ao chegarem lá eles são mandados de volta e perseguidos por uma criatura natalina tradicional de origem alemã. Na última, o Papai Noel enfrenta uma horda de duendes infectados por uma epidemia zumbi. Amarrando tudo, ainda tem o radialista solitário (vivido por William Shatner) escalado para trabalhar na noite de natal. Embora eu tenha achado meio bagunçado e com personagens demais no início, as coisas se encaixaram bem, no fim das contas. E o final foi surpreendente!

Better Watch Out (Better Watch Out, 2017) [Estados Unidos]
Este também é um terror bacana. Começa bem clichezão, com um casal que chama a babá para cuidar do filho de 12 anos enquanto sai para jantar. A garota, claro, fica pendurada no telefone com o namorado, discutindo a relação. O menino, óbvio, quer impressionar a babá e mostrar que já é crescido. Um estranho começa a ligar para a dupla repetidamente, sem falar nada. Depois, vultos surgem na janela e parece que há um invasor na casa. Até aí, tudo bem previsível. Mas por volta de 30 minutos o filme tem uma reviravolta e se torna tenso de verdade, até ousado, eu diria. E ainda homenageia ‘Pânico’ e ‘Esqueceram de mim’. Vale muito a pena. 

Krampus: O Terror do Natal (Krampus, 2015) [Estados Unidos]
Aquela confusão típica da ceia de natal familiar: crianças provocando umas às outras, um cunhado grosseirão, uma cunhada folgada, a vovó que não fala inglês direito, a filha mais velha que quer sair na nevasca para encontrar o namorado, o filho mais novo que se sente totalmente deslocado. As coisas começam a dar errado quando o filho mais novo rasga a carta que havia escrito para o Papai Noel, depois de ser zoado pelas primas. O ato quebra a magia da data e, quando as pessoas deixam de acreditar e ter fé, o Bom Velhinho sai de cena e o vingativo Krampus assume o comando. Este era um filme que tinha tudo para dar certo, mas que me decepcionou por ficar em cima do muro: não é assustador o suficiente para ser levado a sério, nem tosco o bastante para fazer rir. Uma pena. Mas a animação que explica as origens do Krampus na Alemanha é bem bonitinha. E a cena de abertura, com as pessoas se digladiando por presentes na loja, também é muito boa. Existe um segundo filme. Quem sabe no ano que vem?

Uma Noite de Fúria (Santa’s Slay, 2005) [Estados Unidos]
Este parte de uma premissa criativa: Papai Noel é, na verdade, um cara mau, que só finge ser bonzinho porque perdeu uma aposta com um anjo e, como castigo, foi obrigado a agir com gentileza durante 1000 anos. Só que agora esse prazo acabou, e o velhinho (que, de velhinho tem muito pouco – o cara é bem fortão) quer mais é recuperar o tempo perdido fazendo todas as maldades que puder. No rolo, um casal de adolescentes que descobre como parar o Noel assassino. Não funcionou para mim. Sei lá, adorei a ideia inicial de um Papai Noel raivoso, e tem até uns momentos engraçados no filme, mas, no geral, achei fraco.

Jack Frost (Jack Frost, 1997) [Estados Unidos]
Meu Deus do céu! Este tem um enredo magnífico: um assassino conhecido como Jack Frost é condenado à morte e transferido para o local de execução de madrugada, em plena nevasca. Acontece um acidente entre o veículo que transportava o preso e um caminhão de uma empresa de pesquisa genética e o tal Jack Frost aparentemente morre. Só que, tcharããã!!, ele não morreu. O produto entrou no corpo dele e a matéria dele se fundiu com a neve, então ele pode se congelar e descongelar quando quiser, e, assim, se transforma em um Boneco de Neve Assassino! Não é maravilhoso? Não bastasse a trama ridícula, os efeitos são absurdamente toscos e as atuações são vergonhosamente risíveis. Poderia ser ótimo, mas achei que falta ritmo. De todo modo, tem uma sequência, que, obviamente, vou assistir.

Coloco aqui links para outras postagens natalinas que já fiz no blog:

E vocês, curtem um filminho de Natal?
Deixem aí suas dicas :)

Um comentário:

Mark Oliveira disse...

O filme do Krampus é meio estranho, mas é legal.