terça-feira, 20 de setembro de 2011

Leia o Livro, Veja o Filme: O Outro / O Amante

O LIVRO: O Outro (de Bernhard Schlink)


Sinopse:
Depois de perder a mulher para o câncer, Bengt procura conforto nas tarefas mais simples do dia a dia. Até que recebe uma carta endereçada a ela, e tudo o que viveram juntos desmorona de uma hora para a outra. Percebendo a chance de manter viva a memória da esposa, Bengt começa a responder as cartas do estranho como se fosse Lisa. A cada nova carta, ele a redescobre, mas segundo os olhos do Outro. Entretanto, as mensagens não são o suficiente, e logo a empatia entre os dois e a curiosidade de Bengt fazem com que ele parta ao encontro do Outro.

Foi esta sinopse que me levou a ler o livro e é aí que está a beleza da história: conhecer alguém pelos olhos de uma terceira pessoa.

“Às vezes, ele se perguntava o que era pior: o fato de a pessoa amada ser outra com outro ou exatamente aquela com quem se partilha uma intimidade. Ou então as duas situações eram igualmente ruins?” (página 18).

Lógico que existe a raiva de ter sido enganado e as inevitáveis comparações com o Outro, mas no livro Bengt (o esposo) consegue conter e dissimular frustração e de fato se aproxima de Rolf (o outro). Mesmo quando descobre que Rolf era um pilantra pobretão e tem a chance de humilhá-lo, Bengt não o faz, porque por fim entendeu que isso não mudaria os fatos e que, à sua maneira, Rolf conseguiu fazê-lo enxergar a mulher com quem havia compartilhado uma vida de uma outra maneira e a manteve viva e preservada em sua homenagem póstuma.

O FILME: O amante (The other man)

Já o filme é um thriller e envereda por um caminho mais sinistro, com Peter (Bengt, no livro) querendo matar Ralph (Rolf, no livro). Toda a beleza e a poesia que havia no livro são arruinados no filme, começando pela profissão de Lisa (no livro ela era violinista; no filme ela era estilista de sapatos), passando pela troca de correspondência entre Peter e Ralph (no livro eles se comunicavam por cartas; no filme, por e-mail), e terminando na forma como Lisa é mostrada (no livro fica claro que o marido só pensava em trabalho, negligenciando não só a esposa, mas também os filhos; no filme nunca vemos esse lado de Peter, fica parecendo que ele era o marido perfeito e atencioso, e o mais bonito da história, que era quando Peter relembrava o jeito que a esposa agia com ele e compara com a forma como ela agia com Ralph, não existe). Até mesmo a morte de Lisa só é mencionada no fim do filme, fazendo com que o espectador tenha a impressão de que ela simplesmente saiu de casa e sumiu e que todo o tempo o marido estava apenas tentando encontrá-la.

Com certeza eu não daria a mínima para o livro se assistisse ao filme ou simplesmente lesse a sinopse da película antes. Tanto que o filme é de 2009, mas nunca chamou minha atenção. Só resolvi assisti-lo agora que terminei o livro. Meu veredicto?

Leia o livro. Fuja do filme!

4 comentários:

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

" tudo o que viveram juntos desmorona de uma hora para a outra. " e é sempre assim

Kivia Nascentes disse...

Parece ser bacana o filme, acho que assistira, mesmo não sendo o tipo de filme que costumo alugar, mas que quando surge a oportunidade de ver acabo gostando bastante. E também, com o Antônio Banderas...hum, mó téteia, hahha

beijos!

Sarah disse...

Mi, tô mega curiosa nesse livro, quero ler. Aliás, é seu o que tá lá no Trocando Livros? Se for, me empresta??
bjos!

@:) disse...

Eu já li esse livro