sábado, 27 de fevereiro de 2016

Veja Mais Mulheres - Filme #8: As Vozes


Ryan Reynolds (um ator para quem sempre torci o nariz) vestindo um macacão rosa e segurando um serrote ensaguentado na companhia de um cachorro e de um gato. Uma sinopse que desanima ao dizer que o protagonista é um bonitão que atrai as garotas e as mata a mando do felino. Essa combinação de fatores tinha tudo para me fazer passar longe desse filme. No entanto, uma amiga chamou minha atenção para o nome da diretora no cartaz: Marjane Satrapi. Para mim, isso não fazia nenhum sentido, mas é claro que fiquei curiosa. Resolvi dar uma chance à produção, e descobri um filme ótimo que começa como uma comédia romântica, se transforma em humor negro em determinado momento, e por fim se revela um drama delicado sobre uma pessoa que sofre de esquizofrenia.



Jerry (Ryan Reynolds) é um cara boa pinta, tímido e solitário. Logo ficamos sabendo que ele começou no trabalho há pouco tempo e que está ali tentando uma ressocialização. Seus únicos amigos têm quatro patas: Bosco, o típico cachorro grandalhão efusivo e carente; e Sr. Bigodes, o clássico gato independente e com ar de superioridade.


Um dia, na festa da firma, Jerry é escalado para ajudar na organização, e então se apaixona por Fiona (Gemma Arterton) da contabilidade. Ela faz o tipo voluptuosa que não quer nada com o moço, mas se aproveita do interesse dele. Por outro lado, Lisa (Anna Kendrick) é quem tem uma quedinha pelo rapaz, mas ela é uma moça insegura. Há também Alison (Ella Smith), que fica só observando o triângulo amoroso prestes a se formar.


Com essa base da trama armada, é fácil deduzir que o filme seguirá o caminho previsível de uma comédia romântica. Mas então Fiona é morta por Jerry. E tudo muda de figura. O clima descontraído se desfaz. As atitudes bizarras do protagonista criam situações morbidamente engraçadas. E o filme cresce quando percebemos que, até aquele momento, estávamos enxergando o mundo pelos olhos de Jerry. E que o fato de ele conversar com seus animais de estimação (que seria normal se os animais não respondessem) era apenas mais um indício do assunto principal do filme: a esquizofrenia. Desse ponto em diante, vemos as coisas pela ótica distorcida de Jerry e também como as coisas realmente são – é como se estivéssemos dentro da cabeça do moço, que não consegue distinguir o que é real do que é imaginação.


Adorei a forma como a diretora escolheu contar a história, começando com um tom leve e de repente surpreendendo o espectador com uma reviravolta depois de alguns minutos. O que era engraçado passa a ser assustador e, mais tarde, angustiante e triste, ao notarmos a realidade do que Jerry vivia. Um flashback mostra o protagonista ainda criança e a situação traumática que ele enfrentou naquela ocasião. As coisas começam a se encaixar e é impossível não torcer pela recuperação dele.


Mas a pergunta que não queria calar era: Por que Marjane Satrapi resolver fazer esse filme? Uma autora/diretora que ganhou fama por falar dos problemas de sua terra natal, o Irã, usando quadrinhos e animação como linguagem, dirigindo um filme americano aparentemente boboca não fazia sentido para mim. E então descobri. Nesta entrevista ao The Guardian, ela diz que sua intenção era, justamente, tentar algo novo, não ficar presa a um só estilo e a um só assunto. Diz ainda que Ryan Reynolds é um ator excelente e que contribuiu com várias ideias para o filme. Quem diria!


Por abordar a esquizofrenia de um jeito delicado em um filme que consegue ser engraçado e triste ao mesmo tempo, recomendo “As Vozes”. Como bônus, menciono ainda os animais falantes foférrimos e o fato de ter me ajudado a quebrar meu preconceito com relação ao Ryan Reynolds.

Nota: 4/5

*************************
Sobre a diretora:

Marjane Satrapi é uma escritora, desenhista, ilustradora, roteirista e diretora de cinema nascida em 1969 no Irã. Ficou mundialmente famosa com seu quadrinho (posteriormente transformado em animação) 'Persépolis', indicado ao Oscar 2008 na categoria de Melhor Animação (ela foi a primeira mulher indicada nessa categoria). Também é autora/diretora de ‘Frango com Ameixas’.

Este post faz parte do projeto Veja Mais Mulheres, criado pela Cláudia Oliveira. Para ver o post de apresentação que inclui minha lista de filmes e os links para as respectivas postagens, clique AQUI.

2 comentários:

Lígia Barros disse...

Não conhecia esse filme. Parece ser estranho (de um jeito bom) e me deixou curiosa para conhecer esse outro lado da Marjane.

Michelle disse...

Lígia,
"Estranho" é pouco... hahaha.
Mas gostei justamente porque foge ao esperado.