quinta-feira, 12 de maio de 2016

O que rolou... Abril/2016

Oiê!


Antes tarde do que nunca, o resumo de abril. Embora eu tenha escrito pouco aqui, foi um mês bem cheio. Se no trabalho as coisas estão bem paradas, no quesito 'atividades paralelas' estão fervendo. Tenho participado de vários grupos de leitura, cursos de tradução e de cinema. Bem, não se pode fazer mil coisas ao mesmo tempo, né? Vamos ao que importa. É só clicar no link abaixo.

Livros

Ao contrário de março, que foi um mês longo e cansativo, abril foi cheio e produtivo (ai, rimou!). Consegui finalizar 8 livros. Minhas leituras preferidas foram “O Buda no Sótão” e “Contos da K. Mansfield”. Valeria Luiselli foi a surpresa do mês com seu “Rostos na Multidão”.


- Uma, Duas (Eliane Brum): Doloroso, triste, perturbador... e bonito. Ainda estou pensando naquela relação de mãe e filha.
- Capote no Kansas (Ande Parks, Chris Samnee): Muito interessante essa HQ sobre o tempo que Truman Capote passou no Kansas colhendo informações para escrever ‘A Sangue Frio’. E ainda mostra um pouco da amizade dele com a Harper Lee.
- São Bernardo (Graciliano Ramos): Eu havia lido esse livro para o vestibular e, obviamente, não lembrava mais de nada. Foi ótimo poder reler.
- Rostos na Multidão (Valeria Luiselli): Como é bom começar a ler sem expectativa nenhuma e ser surpreendida positivamente! Já aguardo ansiosa outros livros da Luiselli.
- O Buda no Sótão (Julie Otsuka): Sobre as noivas japonesas que chegavam aos Estados Unidos para se casar com maridos que não conheciam. Sobre o duro trabalho nas plantações. Sobre como desapareceram sem deixar rastro quando estourou a Segunda Guerra. Adorei a escrita da autora.
- Você é Minha Mãe? (Alison Bechdel): Gostei, mas acho que a autora ficou girando em círculos e voltando sempre ao mesmo ponto, sem fazer a trama andar. Os termos de psicanálise também dificultaram um pouco. Prefiro o ‘Fun Home’.
- Contos (Katherine Mansfield): Um raro momento em que gosto de todos os contos de um livro. Estou apaixonada pela Katherine Mansfield. Entrou para minha lista de queridinhas junto com a Margaret Atwood.
- A Dama do Cachorrinho e Outras Histórias (Anton Tchékov): Ainda não consegui me entender bem com os russos. Ou talvez seja porque arrastei a leitura desse livrinho durante meses e só li no metrô.

P.S. – Este ano adotarei uma pontuação máxima de 5 estrelas, em vez de 4 como costumava fazer, tanto para livros quanto para filmes.

Filmes

Em abril vi 14 filmes, sem contar os diversos curtas que assisti no curso de História do Cinema. Nenhum entrou para a lista do coração, mas a grande maioria foi muito boa. Destaco o documentário "Mulheres na Mídia” e os dois filmes de terror “A Bruxa” e “Terror nos Bastidores”. Será que finalmente voltaram a fazer coisa que presta no gênero ou tenho dado sorte?


- Aliança do Crime: Filmes de máfia sempre me interessam. Esse é bem bacana. E Johnny Depp arrasou como protagonista. Estava com saudade de suas boas atuações.
- Desajustados: O título e o cartaz desse filme não ajudam em nada, mas recomendo que deem uma chance. Fala sobre pessoas que são julgadas por serem diferentes.
- O Corcunda de Notre Dame: A versão que vi foi a de 1939 e, embora não seja totalmente fiel ao livro, é bem impactante e triste. E o visual sombrio em P&B faz toda a diferença.
- Pura: Filme sueco muito bom sobre uma garota sem perspectivas de futuro que descobre na música clássica a possibilidade de mudar de vida. [#vejamaismulheres]
- Possessão: Esse fazia tempo que estava na minha lista. É bem bizarro, mas tem a interpretação ensandecida da Isabelle Adjani, cenas inesquecíveis e atmosfera e enquadramentos incríveis. Doideira das boas.
- Gosto de Sangue: Em seu primeiro filme, os irmãos Coen já mostravam que sabiam o que estavam fazendo. Para quem gosta do estilo deles, é um prato cheio.
- Uma Mulher, Uma Arma e Uma Loja de Macarrão: Refilmagem de 'Gosto de Sangue'. Ao contrário do que geralmente acontece, é um remake tão bom quanto original, mas que usa o inusitado da trama de forma mais cômica.
- Mulheres na Mídia: Documentário excelente sobre como a representação feminina na mídia impacta os mais diversos aspectos da vida das mulheres. [#vejamaismulheres]
- The Invitation: Da mesma diretora de “Garota Infernal” e “Boa de Briga”. Eu tinha altas expectativas para esse novo filme, que acabou sendo só OK. [#vejamaismulheres]
- A Esperança é a Última que Morre: Comédia nem de longe é meu gênero favorito, mas vez ou outra eu me arrisco. Essa parte de uma ideia legal, de usar provérbios para batizar os assassinatos de um serial killer, mas ficou só na promessa de diversão mesmo.
- A Bruxa: Sempre fico com o pé atrás quando todo mundo elogia algo. Comecei a assistir com receio, mas terminei satisfeita. Não é o tipo de terror cheio de sangue e sustos – a pegada é mais psicológica. Se esse é o seu estilo, vai fundo. Para mim, funcionou.
- Terror nos Bastidores: Achei bem digna e divertida essa homenagem aos filmes de terror dos anos 80 (e as críticas às coisas sem noção que marcaram época).
- Turista Espacial: Crítica muito bem-humorada e com um viés feminista sobre os terráqueos e seus hábitos estranhos. [#vejamaismulheres]
- Um Pouco de Caos: Embora ficcional, Sabine de Barra, a personagem da Kate Winslet, é uma mulher à frente de seu tempo, que enfrenta preconceitos por não ter o comportamento esperado de uma mulher e por trabalhar lado a lado com os homens na construção do jardim do Palácio de Versalhes. Simplesmente maravilhosa! Ah... e tem meu ator-obsessão do momento: Matthias Schoenaerts.

Séries
Assisti à quinta temporada de ‘Guerra dos Tronos’ e comecei a ver a segunda temporada de ‘Better Call Saul’. Descobri a série ‘Little Dorrit’, da BBC, que adapta o romance do Dickens, e estou gostando bastante. E estou no comecinho da primeira temporada de ‘Grace and Frankie’ (e já dei boas risadas).

E foi isso.
O que vocês fizeram de bom em março? 
Beijo e até +!

3 comentários:

Olivia disse...

Michelle, obrigada pelas dicas de filmes de terror, anotadas. Pessoal aqui em casa ama, eu confesso que tenho medo. Assisto tampando ouvidos e olhos - ou seja, mal assisto! Hahahaha!
Esse documentario sobre a imagem da mulher é realmente muito bom. Já viu um outro, chamado "America, the beautiful"? Também bem legal.

Matthias Schoenaerts! <3 Também ando apaixonada. Ele em "Far from the madding crowd", que que foi aquilo, meldels? Mas curti moderadamente "Um pouco de caos", esperava mais. Fiquei triste quando vi o Alan Rickman, gostava de-mais dele.

Acho que nunca vi ninguém nem achar a Katherine Mansfiels mais ou menos, tenho até medo de ler. Expectativa cresce demais.

Beijos!!!!!

Lígia Barros disse...

Que bom que você gostou de "O Buda no sótão" :D
Ainda não li "Você é minha mãe?". Em geral ele não é tão elogiado quanto 'Fun Home" então estou meio incerta se vou ler ou não.
Também gosto muito da Katherine Mansfield, uma das minhas contistas preferidas (julgando pelo pouco que li dela).

Jeniffer Geraldine disse...

O seu mês de abril foi ótimo!
Dos livros, quero ler Uma, duas e fiquei curiosa com a Capote no Kansas (Ande Parks, Chris Samnee).
Filmes - anotei as dicas: Mulheres na Mídia e A Bruxa.

beijos!
www.jeniffergeraldine.com