quinta-feira, 3 de maio de 2018

O que rolou... Março e Abril/2018


Olá!? Tem alguém aí?

Tendo ou não, vou deixar aqui meu post de atualização (que era mensal e ultimamente tem sido bimestral). Tudo continua corrido por aqui. Mas como sou uma pessoa sem noção, que não consegue nem dar conta de 1 blog, comecei a colaborar com outro, o Bagulhos Sinistros. Aliás, meu primeiro post (já publicado) foi sobre o filme amorzinho “Ciganos da Ciambra”. Logo mais haverá outros :)

Livros
Nem sei exatamente se li em março ou abril, mas fato é que consegui finalizar 2 leituras:


- Karen (Ana Teresa Pereira): Livro sobre uma moça que acorda em uma casa que não é a sua, depois de supostamente ter sofrido um acidente numa cascata. Todos a chamam de Karen, mas ela não se lembra de nada da vida de tal pessoa. Gostei muito do livro pela angústia que ele causa. Me senti tão perdida quanto a protagonista, sem saber se as pessoas estavam dizendo a verdade ou se tudo fazia parte de um golpe. Recomendo para quem gosta de suspenses psicológicos, em que a ação na cabeça do personagem conta muito mais que os acontecimentos reais. [4/5]
- Oryx e Crake (Margaret Atwood): Mais uma distopia maravilhosa da diva Atwood. Este é o primeiro volume de uma trilogia, então acho que isso acabou diminuindo um pouquinho o impacto, por não ter final. De qualquer modo, gostei demais e já quero ler o livro seguinte. Semana que vem deve pintar resenha por aqui (é, sei que ninguém acredita mais nas minhas promessas de post, mas botem fé... hahaha). [4/5]

Filmes
Assisti a 20 filmes entre março e abril. Aqueles que se destacaram e que recomendo sem pensar duas vezes: ‘Projeto Flórida’, ‘O guia pervertido da ideologia', ‘Um lugar silencioso’, ‘Uma mulher fantástica’, ‘Um condenado à morte escapou’ e ‘Ciganos da Ciambra’.


- Trama fantasma: Ainda da safra do Oscar 2018. Fui ver porque é filme de época, com um figurino belíssimo, e tem Daniel Day-Lewis. Pelo trailer, já dava para ver que os personagens eram meio esquisitinhos, mas durante a sessão a coisa foi ficando cada vez mais tensa, e os personagens, cada vez mais perturbados. Foi uma surpresa e tanto. Na hora, nem soube dizer se eu tinha gostado da história ou não. Mas no dia seguinte, percebi que eu havia adorado. Recomendo muito!
- Projeto Flórida: Meu preferido do Oscar 2018, junto com Mudbound. Infelizmente, teve só 1 indicação. Mas assistam. De preferência, com um lencinho à mão.
- A grande jogada: Altas expectativas para um filme de golpe, mas não foi tão bom assim.
- Gremlins: Esse eu já vi milhares de vezes, mas adoro e não resisto quando estou mudando de canal e pego o filme no comecinho.
- O guia pervertido da ideologia: Esse foi para o #vejamaismulheres. Incrível demais. Quero ver o outro da diretora, o “O guia pervertido do cinema”.
- Distante: O tema é meio parecido com o do livro que eu tinha acabado de ler na época (Karen). É um suspense que começa muito bem, mas desanda no terço final.
- O diário de uma camareira: Esse eu vi no curso sobre Buñuel. Foi bem menos surrealista do que eu imaginava, mas foi um bom filme.
- A noviça rebelde: Fazia tempo que queria ver esse. Assisti porque não pude ignorar os “sinais”: eu havia comentado ele num canal sobre filmes clássicos que nunca tinha visto, daí o mote do filme era o mesmo de um livro que eu estava traduzindo naquela semana. As músicas são realmente grudentas e ficaram na minha cabeça por dias.
- Amor, sublime amor: Mais um dos clássicos que eu nunca tinha visto. Aproveitei que estava fazendo o módulo de musicais para finalmente riscar esse da listinha.
- The Rocky Horror Picture Show: Eu já tinha visto vários trechos dessa pérola. Tomei vergonha na cara e sentei para ver o filme na íntegra. Divertidíssimo.
- Círculo de Fogo – A Revolta: Uma das grandes decepções do bimestre. Adorei o primeiro filme, mas essa continuação foi Transformers de mais e kaijus de menos.
- Adeus, amor: Mais um musical. Não é dos mais brilhantes, mas gosto da vibe engraçada que brinca com a histeria do público com um astro de rock que é convocado para lutar na guerra (sim, qualquer referência a Elvis Presley não é mera coincidência).
- Um lugar silencioso: Terror é um dos meus gêneros favoritos, mas é difícil achar filmes realmente bons. Esse é ótimo. Ouvi dizer que vai ter uma segunda parte. Não sei pra quê.
- Verónica: Mais um terror que vale a pena, principalmente porque foca nos horrores da maternidade forçada de uma jovem que é responsável por cuidar de seus 3 irmãos pequenos. A trilha sonora desse filme espanhol é mais um ponto positivo.
- Uma mulher fantástica: O único indicado a Melhor Filme Estrangeiro do Oscar 2018 (que foi o vencedor, inclusive) que eu ainda não tinha visto. Realmente, muito bom. Mas acho que o meu preferido continua sendo ‘Corpo e Alma’.
- Comboio do terror: Jesus! Essa pérola da tosquice é roteirizada e dirigida pelo Stephen King (que, como sempre, ainda faz uma ponta). Muita maluquice nesse terrir em que as máquinas se voltam contra a humanidade, e que tem como explicação estapafúrdia a passagem de um cometa.
- Don’t talk to Irene: Esse tem uma vibe ‘Pequena Miss Sunshine’. Sobre uma garota que quer ser cheerleader, mas todos a ridicularizam porque ela é gorda. Além de mostrar que é talentosa, ela ainda transforma a vida dos velhinhos de um asilo e bota todo mundo pra dançar. Trilha sonora delícia para fans dos anos 90 (com direito a Milli Vanilli e tudo!)
- Ciganos da Ciambra: Esse é um documentário que parece ficção (ou uma ficção que tem cara de documentário) sobre um garoto que não vê a hora de virar adulto. Mas quando tem que assumir a responsabilidade de bancar a casa, ele hesita diante de um fardo tão grande. Como eu disse lá no início do post, estou escrevendo sobre cinema para o Bagulhos Sinistros. Essa crítica está lá. ;)
- Um condenado à morte escapou: Assisti no curso sobre Bresson. Embora “Pickpocket” esteja na minha lista de filmes a serem visto há anos, eu nunca tinha assistido a nada do diretor. Achei sensacional. E já quero ver outros trabalhos dele.
- Acertando o passo: Uma comédia romântica deliciosa sobre segundas chances. E tem velhinhos dançando (como em ‘Don’t talk to Irene’). O post sai em breve no Bagulhos Sinistros.

Séries


Vi a segunda temporada de ‘Jessica Jones’ (que começou bem, mas depois ficou meio arrastada – o gancho indica que a terceira temporada pode ser interessante), a segunda temporada de ‘Santa Clarita Diet’ (quando eu achava que não dava para ficar mais trash e bizarra, eles foram lá e provaram que eu estava enganada... hahaha) e a primeira temporada de ‘Dark’ (gostei demais, mas acho que dava para colocar mais uns 3 episódios de encerrar por ali - medo de tudo desandar em uma próxima temporada...). Agora estou finalizando 'The Alienist' (que certamente não é a história mais criativa do mundo, mas os personagens e a ambientação compensam - além da curiosidade de ver o trabalho policial no fim do Século 19 e os primórdios do que hoje faz parte do padrão de investigação: uso de impressões digitais e elaboração de perfil psicológico dos suspeitos).

E foi isso. E vocês, o que andam aprontando?
Beijo!

3 comentários:

Anônimo disse...

Michele! Li oryx e Crake e não sabia que era uma trilogia! Achei que era uma história sem muita conclusão mesmo ahahahaha

Michelle disse...

Julia,
Hahaha... Acontece. Aliás, ainda não traduziram o último volume da série :(

Unknown disse...

Gostei desse Karen e ainda estou em dívida com Margaret. Quero ler O conto da aia esse mês.
Gostei bastante de Projeto Florida. E Trama Fantasma te.
Quero ver Um lugar silencioso. Muita gente falando bem.
Bjão