quarta-feira, 12 de junho de 2013

Filme: O Grande Gatsby (2013)


Nova York, anos 20. A economia está em alta e a Lei Seca tem o efeito contrário ao esperado, estimulando a venda de bebida ilegal. Ao som de jazz, a cidade fervilha. É nesse contexto que conhecemos Nick Carraway (Tobey Maguire), escritor em crise e narrador da história, que relembra o verão em que conheceu Jay Gatsby (Leonardo DiCaprio), seu vizinho misterioso cujas festas eram disputadíssimas, mas a quem poucas pessoas conheciam de fato.


Ao se aproximar mais de Gatsby, Nick fica fascinado ao notar que apesar de ter a casa constantemente cheia e dos inúmeros convites para eventos, Gatbsy é um homem solitário e sem amigos, cujo único objetivo na vida é reconquistar a mulher de sua vida: Daisy (Carey Mulligan), prima de Nick.


Primeiramente, quero dizer que adoro uma adaptação literária. Gosto de ver o que foi mantido da história original, o que foi alterado, adicionado, removido... o que melhorou, o que não funcionou, etc. Depois de ter lido o livro e assistido ao filme de 1974, dirigido por Francis Ford Coppola, fiquei curiosíssima para ver essa nova versão. Ah... falei rapidamente sobre o livro em uma Resenha Misturada do ConversaCult também.


E, posso dizer que, em geral, é uma ótima adaptação. As partes que achei arrastadas no livro, como, por exemplo, a apresentação do passado de Gatsby, são exibidas na tela rapidamente, sem detalhes, mantendo o foco no que é mais importante para a história: a história de Gatsby e Daisy.


Os excessos da juventude da elite nova-iorquina daquela época casam perfeitamente com o exagero visual das cenas de festas, a opulência dos ricaços de Nova York é acentuada ainda mais pelos cenários elegantes e efeitos visuais luxuosos. Até aí o estilo “Moulin Rouge” funcionou bem, mas não gostei da trilha sonora. As versões modernas do charleston e a nova roupagem de algumas músicas contemporâneas, como “Crazy in Love”, por exemplo, ficaram bacanas, mas achei um crime o que fizeram com “Back to Black” (Amy Winehouse deve ter se revirado no túmulo) e os raps também não me agradaram.


Enfim... "O Grande Gatsby" é um filme sobre amor, traição, vingança, aparências, e a trama do Fitzgerald continua impactante como sempre, criticando sem dó a hipocrisia da alta sociedade, enquanto os fatos se desenrolam ao ritmo de videoclipe e contando com recursos tecnológicos para chamar a atenção do público mais jovem. Acho válido. E recomendo uma conferida no cinema!


12 comentários:

Sarah disse...

Mi, acho que a sua foi a única crítica favorável que li! Vi várias detonando o filme...
Só pelo trailer já achei uma mistura de Romeu + Julieta e Austrália. Faltou mais Moulin Rouge e mais direção, achei os atores meio perdidos... Uma pena pelo Leo (olha eu que íntima), que acho muito bom (adorei ele em A Origem).
E sobre a trilha, afe, concordo com vc. Um ponto forte em filme de época é poder ouvir músicas... da época!! Mesclar a raps e Amy soa demais pra mim.
bjos

Tati disse...

Vou ver semana que vem! Apesar das pessoas não terem gostado muito imagino que deve ser um filme visualmente bonito e agora que você falou que vale a pena, taparei os ouvidos quando começar a ouvir Back to black hahahahaha
Beijos!

Carissa Vieira disse...

Alguém que viu o filme do mesmo jeito que eu. \o/
Assim, eu gostei mais do que você, porque gostei da maneira que o diretor usou as músicas. É característico dele fazer isso. Fez em Moulin Rouge e Romeu e Julieta, né? Ele adora pegar canções atuais e colocar no meio de filmes que se passam em anos diferentes. Pra mim funcionou.
Muita gente tem criticado, mas acho que o filme ficou com as características do diretor. Acho que as pessoas queriam uma cópia do livro de Fitzgerald.

Bjs

Juliana disse...

tb é a primeira crítica positiva que li. vc leu o que a tradutora do livro escreveu no blog da companhia das Letras.

vou assistir, mas sem muitas expectativas. não gosto do diretor.

Michelle disse...

Sarah,
Eu acho que a proposta era modernizar mesmo, mas em alguns momentos não funcionou para mim.

Tati,
Visualmente é impecável. Tampe sim (ou não, de repente você gosta)

Carissa,
Eu acho legal fazer novas versões de músicas e amo Moulin Rouge, mas acho que o Gatsby era um tipo de história diferente. No Moulin Rouge as músicas eram um personagem da trama, os protagonistas cantavam e tudo ali me pareceu bem encaixado. No Gatsby as músicas deveriam ficar em segundo plano, como coadjuvante, não tentar se sobrepor à história. Achei que rolou um conflito nas cenas musicais, e isso me desagradou. Mas gostei da modernização sim. Não vejo problema nisso.

Juliana,
Não vi. Vou lá dar uma espiada. Acho que sem expectativa sua chance de gostar é maior ;)

silencereports disse...

Fiquei curiosa! Vi muitas resenhas e algumas criticavam justamente esse clima de espetáculo da Broadway.
Sou daquelas que preferem o "original", no caso, a primeira versão de Coppola. Vou ao cinema com um pé atrás para ver releituras. Mas neste caso, vou fazer um esforço ;)

Eve Fowl disse...

Eu nunca li O Grande Gatsby, apesar de já o ter visto diversas vezes na biblioteca.

Fiquei curiosa com essa versão justamente pelas caracteristicas visuais, que me chamaram muita atenção nos trailers. Veremos o que vou achar das músicas...

E a sua foi a primeira critica que li sobre ele, e acho que não lerei nenhuma outra até assistir.

Igor Gouveia disse...

Oi, tudo bom? Espero que sim.

Primeiro devo dizer que adorei seu blog, sério. Muito legal mesmo. É sempre bom conhecer blogueiros e ler coisas tão legais. Continue assim, ok? Estou seguindo e sempre que der passarei por aqui. Gostei mesmo!

Sobre o post, só tenho uma coisa pra falar: adorei.

Ah, também tenho um blog literário. Passa por lá depois. Quem sabe você não gosta do meu espaço? Ficaria agradecido, é claro!

Deixo o link: http://www.diariodebordodeumleitor.com/

Um abração,
Igor Gouveia.

livroseoutrasfelicidades disse...

Mi,
Estava esperando assistir ao filme antes de ler sua resenha. Acho que o gostar ou não deste filme depende especialmente da expectativa em relação ao que o espectador vai encontrar. Como eu não tinha muita expectativa -sequer li o livro - adorei o visual, que para mim valeu mais que a história em si.
Agora preciso me decidir se vou ler o livro...
bj

Ana Leonilia disse...

Eu ainda vou conferir o filme, porque o livro é fantástico. É uma trama que tem de tudo... Triângulo amoroso, intrigas, pompa etc.

E você gostou da adapatação, né?
Acho que vou gostar também.

Além disso, penso que esse papel caiu como uma luva para DiCaprio. Ele é um ótimo ator.

Bjs ;)

lulunettes disse...

Michelle, estamos em sintonia, pq tive exatamente a mesma opinião. Gostei bastante do filme! A adaptação, o elenco e a produção foram ótimos. Também não simpatizei com a trilha sonora, mas gostei de “Young And Beautiful”. As cenas entre Gatsby e Daisy foram lindas. E DiCaprio ficou excelente como Gatsby.
Abraços!

Michelle disse...

Gio,
Eu já esperava o visual "Broadway" e isso não me incomodou. Meu problema foi com a trilha sonora mesmo. Boa sorte!

Eve,
Quanto menos expectativa, melhor. Espero que goste ;)

Igor,
Obrigada!

Julia,
Exatamente. A expectativa pode atrapalhar.

Ana,
O DiCaprio está ótimo! Acho que você vai gostar ;)

Lulu,
Temos opinião parecida sobre o filme. Não é perfeito, mas vale a pena.