segunda-feira, 16 de julho de 2012

Resenha: O Clube dos Suicidas (Robert Louis Stevenson)


Dividido em 3 partes (A história do rapaz com as tortinhas de creme; A história do médico e do baú de Saratoga; A aventura do cabriolé), o livro conta as aventuras vividas pelo Príncipe Florizel, também conhecido como Príncipe da Boêmia, e por seu confidente e estribeiro-mor, o Coronel Geraldine. A dupla adorava se disfarçar e se infiltrar nas diversas camadas da sociedade londrina atrás de diversão. Um dia, eles encontram um estranho homem que distribuía tortinhas e que lhes conta a triste história de sua paixão e da falta de dinheiro que o fez abandonar a amada e buscar a morte. É por meio dele que o Príncipe e o Coronel acabam conhecendo o Clube dos Suicidas, o sinistro lugar onde, mediante o pagamento de uma taxa, cavalheiros desiludidos com a vida encontrariam o fim desejado pelas mãos de outro membro do grupo. O papel de assassino e de assassinado era definido pelo presidente, que usava um simples baralho para determinar o destino dos participantes.

“O medo é a única paixão forte; é com o medo que deve brincar quem deseja experimentar a intensa alegria de viver.”

Na segunda parte do livro são apresentados outros personagens importantes para o desenrolar da história iniciada na parte 1. Na terceira e última parte, o mistério finalmente é solucionado, com uma lição de moral.

O livro é bem pequeno (126 páginas), daqueles pare ler de uma só vez. A história é interessante e o plano rocambolesco para capturar o assassino que usava o Clube dos Suicidas como fachada para seus crimes sustenta o mistério até o fim. O autor, Robert Louis Stevenson, ficou conhecido por seu livro infanto-juvenil “A ilha do tesouro” e pelo romance de terror “O médico e o monstro”. Com “O Clube dos Suicidas”, Stevenson antecipa o romance policial moderno, eternizado por criações como Sherlock Holmes e Arsène Lupin, entre outros. Uma ótima dica para quem curte investigação.

3 comentários:

Karla disse...

Tá vendo? quem vê páginas não vê conteúdo rs.
O livro parece ser interessante, pelo menos tem um enredo legal.
Ai Mi, o que eu faço? tô com tanta coisa pra ler e vc só me acrescenta mais umas ainda,assim não haverá vida que baste pra ler tudo o que quero!rs
Beijos!

lualimaverde disse...

Parece legal, Michelle! Eu gosto de um bom romance policial, principalmente pra ler à noite, quando quero uma leitura mais fácil. Não conhecia esse livro. Beijo! =)

TaTa disse...

Aceito a indicação.
É bom mudar de ares.