segunda-feira, 4 de novembro de 2013

2 filmes, 1 tema: Sharknado / Sand Sharks


Quem aí curte o estilo “terrir” (aqueles filmes de terror tão toscos que geram risadas)? Eu gosto tanto de terrorzão que deixa a gente tenso e sem respirar quanto das baboseiras que dão dor de estômago de tanto riso. Hoje, trago duas histórias bizarras envolvendo tubarões. Na primeira, uma série de tempestades atinge a Califórnia e, como se o mundaréu de água e os tornados não fossem tragédia suficiente, elas também levam tubarões aos céus! A segunda história nos apresenta um novo tipo de monstro: tubarões gigantescos e pré-históricos que nadam por debaixo de terra! Como não amar tanta besteira?

Sharknado (Sharknado, 2013)


“Sharknado” é uma pérola e entrou para minha galeria de filmes preferidos. É uma daquelas produções que não se leva a sério nem por um segundo e que, portanto, abraça a tosqueirice com orgulho. Tudo ali é um exagero de ruindade: o roteiro praticamente inexistente, os atores caricatos, o texto vergonhoso, as situações surreais... Sem contar os efeitos especiais mais capengas do que aqueles usados nos anos 80. Um show de horror.


Em “Sharknado” as leis de física, a química e a lógica em geral são solenemente ignoradas, para nossa alegria. Nesse universo paralelo, combustíveis pegam fogo sozinhos, casas enchem de água quase até o teto enquanto do lado de fora não há inundação, telhados são arrancados pelo vento, que, milagrosamente, mantém as folhas das palmeiras estáticas. Coisa linda de se ver. Tenho que dizer que jamais verei um banquinho de lanchonete da mesma forma. Ah... e ainda há nomes “de peso” no elenco: Ian Ziering (vulgo Steve de Barrados no Baile) e Tara Reid (cujo maior sucesso foi a franquia American Pie). Um clássico! Aguando ansiosamente a continuação.



Trailer: (não tem legenda, mas quem precisa de texto com imagens tão boas?)


********************
Sand Sharks (Sand Sharks, 2012)


“Sand Sharks” tem aquela trama manjada: o filho mimado do prefeito retorna à sua ilha natal atrás de dinheiro e, em sua condição de pilantra produtor de eventos, convence o pai a fazer um festival de verão para atrair os jovens e salvar a economia do local. Obviamente, o surgimento de tubarões não é um bom negócio para quem pretende chamar turistas. A história se desenrola com o produtor de eventos fazendo de tudo para realizar a festa, a cientista tentando descobrir com que tipo de animal estão lidando, o xerife se empenhando em manter a garotada segura na praia e a filha do xerife (que também é policial) lutando contra os sentimentos que ainda guarda pelo filho do prefeito e os deveres de sua função.


É uma produção mais “elaborada”, com uma história mais bem desenvolvida (embora ridícula, claro), diálogos menos imbecis, cenas com trilha sonora e até uma explicação pseudocientífica para a existência dos bichões. Isso tudo faz com que, infelizmente, o filme perca parte de seu potencial de bobeira e diversão. Mesmo assim, dá para passar bons momentos em companhia dos personagens canastrões: o prefeito é a cara do Sr. Burns, dos Simpsons; seu filho é uma mistura genérica de Jim Carrey e Jack Sparrow; e ainda tem a cientista gostosona que é a irmã perdida da Paris Hilton. Ah... tem ainda um velhinho que é a clássica imagem de pescador desde “Tubarão” (camisa xadrez, gorro de lã – Spielberg mandou lembranças) e tem uma voz estranha e supostamente macabra(?). Uma coisa eu aprendi com esse filme: tenha sempre napalm à mão!


Trailer: (mesmo esquema...)


E vocês, gostam desse tipo de filme?
Beijo e até+!


4 comentários:

Marijleite disse...

Só de ler o que você escreveu e com as imagens que você colocou no post, já tive vontade de rir imaginando os filmes.
Não vejo filmes de terror, sou medrosa mesmo, então, esse tipo de filme pode ser uma ótima ideia para mim, já que é engraçado (mas desconfio que ainda assim ficaria com medo, me julgue).
Gente do céu, uma mistura de Jim Carrey e Jack Sparrow daria algo bem... engraçado?!

petalasdeliberdade.blogspot.com

Jacqueline Braga disse...

Oie Mi
confesso que gosto de filmes de terror pesado, apesar de ter medo e ficar impressionada com muita facilidade (e sempre ir dormir com pesadelos rs)
Mas esses "terrir" eu assisto mais para dar boas risadas, e depois que assisti piranhas, fiquei viciada nesse estilo. É cada efeito tosco, e diálogos tão doidos. Ótimo para descontrair. Gostei da indicação, ainda não tinha assistido este filme, e vou procurar pra baixar.
bjos
www.mybooklit.com

Michelle disse...

"Sharknado" já entrou para a lista de "melhores filmes do mundo" no quesito tosqueira. Fazia tempo que eu não ria tanto.
Esse outro eu ainda não vi, mas certeza que vou curtir! :)
Beijos

Michelle disse...

Marj,
Não precisa ter medo porque é tanta coisa absurda que a única coisa a fazer é dar risada. Vai fundo!

Jacque,
Eu também curto passar medo, mas é muito difícil um filme de terro me abalar. E esses de terrir são ótimos para relaxar, né? Piranhas é um clássico da tosquice também! Se quiser rir, invista no Sharknado ;)

Michelle,
Sim! É uma obra de arte de tosquice! Merece mesmo um lugar no pódio. O outro é legalzinho também. Em menor escala, mas dá para curtir numa boa.