quarta-feira, 13 de junho de 2012

Filme: À Espera de Turistas (Am Ende Kommen Touristen)


Na Alemanha, os jovens podem optar entre o serviço militar ou serviço cívico. Ao escolher essa última opção, o jovem alemão Sven (Alexander Fehling) é designado para o Museu do Holocausto, construído dentro do antigo campo de concentração em Auschwitz, na Polônia. Ao chegar, Sven é acomodado no mesmo quarto que o Sr. Krzeminski (Ryszard Ronczewski), um sobrevivente dos campos de concentração. Entre serviços de manutenção e assistência aos turistas, Sven se sente frustrado, principalmente porque sua principal obrigação consiste em cuidar do Sr. Krzeminski, levando-o à fisioterapia, indo com ele ao supermercado, acompanhando-o nas visitas aos amigos. O que parecia um jeito fácil de escapar ao serviço militar se mostra, por fim, muito mais complicado do que imaginara Sven. 

O Sr. Krzeminski é um senhor na casa dos oitenta anos de idade e, como tal, tem uma vasta lista de manias. Está sempre reclamando de tudo, mandando em Sven, apontando defeitos. É lógico que Sven se sente desconfortável e abusado nessa situação. No entanto, em vez de tentar se colocar no lugar do velhinho, constantemente discute com ele e apresenta queixas para o diretor do Museu. O que Sven não percebe é que esse seu comportamento infantil e presunçoso o faz ser visto com desprezo pelos moradores locais. Na verdade, sua presença, e principalmente suas atitudes, é um incômodo para os poloneses que vivem ali: ele continua sendo um alemão, um intruso, um inimigo.

Só depois de se aproximar de Ania (Barbara Wysocka), a garota polonesa que trabalha como guia do museu e intérprete, é que Sven começa a enxergar as coisas pela ótica dos sobreviventes. Passa a se interessar de fato pelo que aconteceu aos antepassados daquelas pessoas, começa a entender como a história afeta a vida dos novos poloneses, o que o museu representa para a comunidade, as feridas reabertas pela chegada de uma empresa alemã à cidadezinha.

E então, com uma nova mentalidade, Sven finalmente começa a valorizar o Sr. Krzeminski, não só como sobrevivente, mas também como um ser humano que luta para ser útil e que não quer demonstrar as fragilidades da velhice. Sven só não sabe agora o que fazer com todos os sentimentos conflitantes em seu interior e como lidar com as novas opções que se apresentam diante dele.

5 comentários:

Kivia Nascentes disse...

Eu vi sobre esse filme na semana passada e estou MUITO afim de assistir, parece ser interessante.

Roberta Ferreira disse...

Eu não conhecia o filme, mas pela sinopse ele deve ser bom ...

Caio Rodrigues disse...

Nunca assisti esse filme, me parece ser muito bom, pelo tipo de gênero que eu gosto...

Minha primeira visita aqui no blog. Adorei, espero voltar mais vezes.

Abraço
Caio Rodrigues
linhasdeencanto.blogspot.com

livroseoutrasfelicidades disse...

Oi, Mi! Parace ser bom este filme, hein? Preciso levar um lencinho? bj

Michelle disse...

Tks pelos comentários!
Olha, eu não precisei de lencinho, mas cada um sabe de si, né? Achei que embora o tema fosse meio pesado, a história foi contada com leveza. Conta depois de assistiu.
bjo!