terça-feira, 1 de maio de 2012

Filme: A Dançarina e o Ladrão (El Baile de la Victoria)


O filme se passa no Chile, durante o processo de redemocratização pós-Pinochet. Presos que tenham cumprido 2/3 de suas penas e que não tenham envolvimento em crimes com morte são libertados. É assim que Nicolás Vergara Grey (Ricardo Darín), um famoso ladrão de bancos, ganha a liberdade. Depois de 5 anos encarcerado tendo que se contentar em ver a mulher e o filho através do vidro, tudo que ele quer agora é deixar a vida de roubos para trás e recuperar o tempo perdido com a família.

Outro que também é posto em liberdade é o jovem Ángel Santiago (Abel Ayala), conhecido na cadeia como "Querubim". Mal põe os pés fora da prisão e já começa a dar golpes e a pôr em prática o engenhoso plano elaborado pelo presidiário Anão Lira, que consiste em roubar um cofre que guarda dinheiro sujo do regime de Pinochet. Para tanto, ele precisa encontrar Nicolás e convencê-lo a participar do plano.
Em sua busca por Nico, Ángel conhece Victoria (Miranda Bodenhofer), moça que teve os pais sequestrados e mortos pela ditadura. Desde esse trágico episódio de sua infância, nunca mais falou. Foi mandada para um orfanato, mas fugiu e passou a morar nas escadarias do metrô. Foi acolhida pela professora de balé (vivida pela bailarina brasileira Marcia Haydée), que se comoveu ao ver a menina escondida na árvore dia após dia, espiando as aulas de dança.
Ángel apaixona-se à primeira vista por Victoria. Decide que fará de tudo para torná-la bailarina do Teatro Municipal. Com esse objetivo em mente, ele aluga o cavalo que cresceu junto com ele, inscreve Victoria para um teste no Municipal, a leva para ver o mar e conhecer sua família no interior. Ángel procura Nico insistentemente, todos os dias, para fazê-lo mudar de ideia. Até que, desiludido com a rejeição da família, sentindo-se traído pelo comparsa que ele acobertou ao ir para prisão e percebendo que não seria tão fácil livrar-se de fama de ladrão de bancos, Nico decide ajudar, já que agora tudo o que lhe resta é apreciar o amor juvenil do mais novo parceiro.
“A Dançarina e o Ladrão” é uma produção espanhola dirigida por Fernando Trueba e baseada no livro “O baile da Vitória”, do autor chileno Antonio Skármeta (que faz uma pequena ponta no filme, como um crítico de dança). Embora o filme seja de 2009, só chegou aos cinemas brasileiros agora, graças ao nome de peso do argentino Ricardo Darín. Se ele não estivesse no filme, esse longa provavelmente nunca daria as caras por aqui. E, apesar do meu fetiche declarado pelo Darín, tenho que confessar que encontrei meu novo muso latino: Abel Ayala. Passou a ocupar um lugar no meu olimpo particular, junto com o Gael García Bernal e o Diego Luna...
Tudo o que posso dizer é que o filme não é perfeito; está bem longe disso. Mas tem ótimos momentos, como a belíssima cena de Victoria dançando no teatro e Darín declamando versos de Gardel. Sem contar, claro, as cenas de Abel Ayala. Quem não gostaria de encontrar esse príncipe argentino, de sorriso encantador e fala macia, um tanto ingênuo e sonhador, que cruza Santiago montado em um cavalo?
**************

E aproveitando o post, hoje lá no Equalize da Leitura tem minha indicação de série: Once Upon a Time. 
Espero vocês lá!

Bjo!

4 comentários:

Por que você faz poema? disse...

Um dos piores filmes que vi este ano,
serviu para eu saber que não posso ir atrás de tudo que tenha Darín.
Constrangedor.

Karla disse...

Não vi, mas como sempre já entrou pra minha lista que dia a dia só aumenta...hahahaha
E Once Upon a Time já é uma paixão aqui em casa... beijos!

Jacqueline Braga disse...

não vi o filme, mas como curto balé e filmes com dança, com certeza irei assistir
bjos

Ana Leonilia disse...

Fiquei muito interessada no filme. Primeiro, por se passar no Chile; segundo, pelo contexto histórico; e terceiro, pelo romance. :)

Bjs ;)