segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Desafio 7 Clássicos em 2012: Admirável Mundo Novo (Aldous Huxley)


No ano de 632 d.F. (depois de Ford), o governo totalitário zela por todos. As pessoas são geradas em proveta e cada indivíduo já nasce destinado a realizar uma função específica e a ocupar determinada posição na sociedade, seja no topo da pirâmide, como Alfas, ou na base, como reles Ípsilons. Desde pequenos, todos os cidadãos são condicionados a aceitar sua condição e a seguir as normas sem contestar. Como recompensa por se comportar como esperado, o governo provê todas as necessidades básicas, inclusive uma cota diária de “soma”, a droga perfeita que “tem todas as vantagens do Cristianismo e do álcool e nenhum de seus inconvenientes”.


A sociedade de "Admirável Mundo Novo” é sustentada por quatro pilares: Condicionamento, Hierarquia, Felicidade (soma) e Eugenia. Esses quatro itens garantem a estabilidade, que faz as engrenagens funcionarem perfeitamente. Todos estão constantemente felizes, ninguém pretende mudar de classe social, não há sonho, nem individualidade, nem religião. O conceito de família não existe e, na verdade, os termos “pai” e “mãe” são considerados repugnantes e obscenos, uma verdadeira pornografia. A promiscuidade é estimulada e os longos relacionamentos ou as relações monogâmicas devem ser evitados a todo custo.

No entanto, Bernard Marx sente-se estranho, por não partilhar dessa felicidade coletiva, por querer ficar sozinho, por gostar de Lenina e querer tê-la só para si. Um dia, ele consegue permissão para viajar com a amada à Reserva do Novo México, onde vivem os “Selvagens”, ou seja, pessoas que não vivem em uma sociedade asséptica e controlada pelo novo governo. Lá, eles conhecem John, que é filho de uma Ípslon (Linda) com um Selvagem, que foi banida para o “Outro Lado” e lá deu à luz a criança. Linda e John são levados para a civilização e é então que começam a ser expostas as fragilidades dessa nova ordem.

Adorei ver como o autor usou várias obras de Shakespeare para expor tudo o que a civilização moderna tinha perdido, principalmente as paixões e emoções. Todos agiam como robôs, com felicidade controlada, com opções de lazer que deveriam incluir sempre equipamentos tecnológicos de última geração e que manipulavam os sentidos. Até a música era sintética!

Enfim... “Admirável Mundo Novo” é um livro incrível, que estava na minha lista há séculos, e que adorei conhecer. Na verdade, gostei tanto que estou há meses tentando escrever sobre ele. Como sempre acontece quando gosto demais de alguma coisa, não consigo expressar em palavras. Nada que eu disser vai ser bom o bastante para demonstrar o quanto a história mexeu comigo. Só posso dizer que é uma daquelas obras essenciais que devem ser lidas o quanto antes. E que fiquei tão estarrecida com o universo criado por Huxley que corri comprar "A Ilha", que não é uma continuação, mas que é citada em “Admirável Mundo Novo” e também aborda a questão da felicidade. Aguardando ansiosa para ler...

**********************


Este post faz parte do Desafio 7 Clássicos em 2012. Para ver minha lista de leitura, clique AQUI. Para conhecer as regras, ler resenhas de outros participantes e participar do Desafio, clique no respectivo banner à direita. 

6 comentários:

lualimaverde disse...

Michelle, não foi à toa que comecei o blog com esse livro, é um dos livros que mais mexeu comigo quando li a primeira vez, um dos meus preferidos, sem dúvida. A Ilha não gostei tanto, mas tem seus méritos. Beijão!!!

Sarah disse...

Adorei sua resenha Mi. Até deu vontade de reler o livro - o que não seria nenhum sacrifício, é um de meus preferidos rs!!
Depois conte o que achou dA Ilha!
bjos

ConversaCult disse...

Eu to até com esse livro aqui, só falta ler (sempre "só falta ler")... Acho que pode ser até o próximo que eu vou pegar, já que não tinha nada em mente. '-'

Faz tempo que eu escuto e vejo coisa sobre esse livro (inclusive li outros livros que foram inspirado ou estão na mesma "onda"), mas não sabia ainda dessa questão da felicidade. É por isso que eu gosto das suas resenhas, elas sempre explicam bem. '-'

Eu respondi o que você perguntou lá no blog, mas já que eu vim aqui:
Eu não tenho certeza se todos aparecem no filme, alguns eu sei que sim.

~Dana

Michelle disse...

Oi, Lua!
É realmente incrível e já imagino que A Ilha não consiga superar, mas a curiosidade é grande. Aliás, em parte a curiosidade aumentou por causa da sua resenha, viu?

Sarah,
É um livro atemporal e acho que cada vez que a gente lê, descobre mais coisas interessantes. Pode deixar que conto tudo sobre A Ilha.

Dana,
Hahaha... é verdade. Sempre "só falta ler". Mas finalmente consegui tirar esse da estante. Leia sim que acho que você vai pirar. E obrigada pela resposta!

Paula Sanches disse...

Sempre quis ler... meu favorito é 1984, de George Orwell e muita gente já me falou que Admirável Mundo Novo é bem melhor. Será? Pela sua resenha parece ser muito bom mesmo. Com o DL 2013 ele não passa batido no próximo ano, rs.

Michelle disse...

Oi, Paula!
Infelizmente, não posso responder à sua pergunta, pois não li 1984 ainda. Mas sempre comparam os dois, né? Aproveita para ler o Admirável Mundo Novo em 2013 que eu vou tentar ler o 1984 e daí a gente comenta.
beijo!